Escolha seu idioma

Avaliação da qualidade de pintinhos e otimização da incubação (1)

Parte 1: Bases A qualidade dos pintinhos tem se tornado cada vez mais importante. Um incubatório deve produzir pintinhos de qualidade, a fim de atender as expectativas do cliente. A série de artigos que se inicia irá analisar questões específicas de qualidade dos pintinhos e as respectivas adaptações ao programa ou processo de incubação, a fim de obter melhorias. As questões descritas e potenciais soluções são baseadas em muitos anos de experiência do Departamento de Desenvolvimento de Incubação da Petersime.

Roger Banwell, Gerente de Desenvolvimento de Incubação, Petersime

Neste primeiro artigo, são descritas as bases para uma boa avaliação da qualidade dos pintinhos. Em termos simples, como se pode ter certeza de que um determinado problema está relacionado à incubação?

Eliminando fatores externos

Os problemas de má qualidade dos pintinhos podem ocorrer em momentos aleatórios e/ou em diferentes graus. Embora tais acontecimentos possam aparecer aleatoriamente, não é algo óbvio encontrar os elementos críticos. Portanto, a primeira tarefa é eliminar os fatores externos.

Antes mesmo de considerar alterar os programas de incubação, assegure-se de que os seguintes itens não estão relacionados ao problema ou à intensidade do problema:

  • Linhagem;
  • Idade do lote;
  • Tempos de armazenamento;
  • Granja;
  • Aviário;
  • Dia da incubação, da transferência e da eclosão;
  • Transporte (dia, hora, caminhão, etc);
  • Incubadora ou nascedouro específicos;
  • Problemas técnicos com climatização;
  • Condições ambientais extremas;
  • Quaisquer alterações recentes nas práticas de incubação ou pré-incubação, incluindo as alterações em produtos de limpeza, fumigantes, materiais de vacinação, etc.

Há problemas não mencionados na lista acima. Por exemplo, em um estudo de caso real: um determinado líder de equipe que frequentemente transferia bandejas do nascedouro molhadas sem o supervisor estar ciente disso. Através de uma visita surpresa, o problema foi finalmente identificado. Em casos como este, o supervisor poderia ter começado a fazer alterações em seus programas de incubação para resolver o problema e poderia ter criado uma sequência confusa e complexa de acontecimentos.

Eliminando outros elementos importantes

Perguntas devem ser feitas para procurar saber e examinar os seguintes fatores:

  • O problema está relacionado ao padrão de incubação?
  • A máquina foi carregada parcialmente?
  • A incubadora e o nascedouro permanecem fiéis aos programas?
  • O horário de nascimento está correto?
  • O problema está na incubadora ou nascedouro como um todo, ou tem relação apenas com um determinado local dentro da máquina?
  • O equipamento de transferência e vacinação in ovo está funcionando bem e está limpo?
  • A granja de matrizes alterou alguma prática de alimentação ou teve algum problema recente de doença?

Examinando a incubação

Só após ter verificado que a fonte de ovos para incubação é boa, que o equipamento está tecnicamente correto e apto para funcionar corretamente (boa climatização, bom fornecimento de água de resfriamento, etc), que todas as práticas no incubatório estão ocorrendo de forma consistente e que não foram alteradas, que o incubatório e o equipamento estão livres de contaminação, é que então podemos começar a examinar a incubação.

Uma vez alcançado este ponto, é importante garantir que se mantenha uma abordagem lógica e uma visão sistêmica para a investigação. Muitas vezes, como o problema parece estar relacionado a um certo estágio da incubação, o instinto será fazer alterações no programa de incubação daquele estágio. Por exemplo, quando existe um problema no processo de eclosão, a reação instintiva será fazer alterações ao programa do nascedouro. No entanto, este nem sempre será o procedimento correto. Se, por exemplo, seu horário de nascimento é prematuro e há um aumento na mortalidade embrionária precoce (anel de sangue, olho preto, etc), então o problema provavelmente são más condições iniciais da incubadora.

Talvez dois dos elementos mais importantes sejam a paciência e o bom senso. Um dos erros mais comuns é fazer mais de uma alteração de uma vez. Isso faz com que o efeito de cada mudança não possa ser claramente identificado. Julgamentos feitos a partir de um teste, sem primeiramente assegurar se esse teste não falhou por causa de um outro elemento, podem levar a falsas conclusões. Repetir o mesmo teste é uma boa prática para garantir que os resultados sejam válidos.

Por várias vezes ocorre que clientes fazem alterações aos seus programas que não resolvem o problema, e não revertem o programa ao seu estado original. Isso acaba por agravar extremamente a situação, que começou com um problema, e acaba com uma infinidade de erros.

Departamento de Desenvolvimento de Incubação da Petersime

Deve-se sempre recordar que a Petersime conta com uma equipe dedicada, com pessoal de suporte que pode oferecer recomendações e orientações. O Departamento de Desenvolvimento de Incubação da Petersime oferece suporte para otimização de desempenho e é sempre altamente recomendável que essa riqueza em conhecimento e experiência seja utilizada por todos os clientes da Petersime.

Resumo

A boa qualidade dos pintinhos é essencial para um incubatório. Ajustar os programas de incubação é uma forma de melhorar a qualidade dos pintinhos. Contudo, nem todos os problemas de qualidade dos pintinhos estão relacionados à incubação. A eliminação de certos fatores e a utilização de abordagem lógica para a investigação são essenciais. O Departamento de Desenvolvimento de Incubação da Petersime pode dar apoio sempre que necessário.