Escolha seu idioma

Entendendo o nascimento

Durante muitos anos, o nascedouro foi considerado apenas uma máquina de "acabamento". Porém, pesquisas realizadas pela Petersime demonstraram que o nascedouro pode melhorar e otimizar o resultado da incubadora, resultando em ganhos de uniformidade, qualidade, eclosão e desempenho pós-nascimento. Isto requer um bom gerenciamento do programa.

por Roger Banwell, Gerente de Desenvolvimento de Incubatório

Abaixo encontram-se dois elementos-chave que irão ajudá-lo a tirar o melhor proveito de seus nascedouros.

1. Adapte seu programa de incubação de acordo com o horário de transferência

Idealmente, a transferência dos ovos da incubadora para o nascedouro é organizada no 18º dia. Porém, por uma série de motivos práticos, na maioria dos incubatórios a transferência irá variar entre o 15º dia, bastante precoce, e no mais tardar no 19º dia.

Se utilizarmos os mesmos programas de incubação na transferência, por exemplo, ao 17º dia e 12 horas que utilizaríamos numa transferência ao 18º dia e 12 horas, corre-se o risco de se obter resultados abaixo do ideal. Porquê? No gráfico abaixo, pode-se ver como a temperatura de um ovo evolui ao longo das várias fases do processo de incubação: atividade vascular (o sangue fluindo para a membrana externa) (1), pintinho se posicionando (2), bicagem interna (3) e bicagem externa (4): 

O gráfico simplificado abaixo mostra as principais alterações necessárias nas condições ambientais:

A partir do gráfico, é fácil ver que transferência no 17º dia e 12 horas irá requerer condições muito diferentes no nascedouro que as que seriam necessárias numa transferência no 18º dia e 12 horas.

2. Carregue apenas ovos do mesmo lote e idade de matrizes, com o mesmo tempo de armazenamento e provenientes da mesma incubadora balanceada

Para diferentes tipos de lote, idade de matrizes e tempo de armazenagem, o perfil geral, como mostrado acima irá mudar, e as durações e picos intermediários serão diferentes. Se diferentes lotes são combinados, alcançar as condições ótimas torna-se difícil, se não impossível:

A partir do gráfico, é possível ver que a grande produção de calor correspondente ao pico do esforço de pintinhos dos lotes mais jovens com tempos de armazenamento curtos coincide com o estágio de bicagem interna dos pintinhos dos lotes mais velhos com um tempo de armazenamento superior.

Em conseqüência, carregar o nascedouro com ovos de uma origem uniforme é também essencial para colher os benefícios da estimulação térmica e/ou por CO2.

Referências:

Vince M.A., Effects of external stimulation on the onset of lung ventilation and the time of hatching in the fowl, duck and goose. British Poultry Science, 1973, 14:4, 389-401.

Tong A., McGonnell I.M., Romanini C.E., Berckmans D., Bergoug H., Roulston N., Garain P., Demmers T., Effect of high CO2 during the final 3 days of incubation on the timing of hatching in chick embryos. CIGR - International conference of agricultural engineering, Valencia, Spain, July 8-12, 2012.