Escolha seu idioma

Frangos de corte de crescimento mais lento e bem-estar animal sustentável: uma introdução

A seleção genética de frangos de corte para crescimento rápido levou a uma produção de frango grande, enxuta e eficiente, mas também gerou preocupações com o bem-estar animal. Embora tenha sido observado que linhagens de crescimento mais lento demonstram melhores características de bem-estar em comparação àquelas de crescimento rápido, o bem-estar das aves não deve ser considerado isoladamente, mas no contexto de alimentar o mundo com os recursos limitados que temos. Só será possível obter o bem-estar sustentável de frangos de corte no longo prazo se os desafios em todas as seguintes áreas forem devidamente gerenciados: bem-estar animal, desenvolvimento econômico e proteção ambiental. A Petersime se uniu em parceria ao Ministério da Agricultura holandês, à Nature and Food Quality e à Wageningen Livestock Research para investigar a produção de frangos de corte sustentáveis, saudáveis e de crescimento mais lento.

Por Hilke Willemsen, Gerente de Projetos de Incubação, Pesquisa e Desenvolvimento da Petersime

Seleção genética de frangos de cortes e as consequências sobre o bem-estar

As empresas de criação de frangos de corte empregam a reprodução equilibrada em seus programas de seleção genética. Uma reprodução equilibrada significaa criação para uma combinação de características que visa satisfazer a crescente demanda mundial e a atender às necessidades específicas de saúde e bem-estar dos animais, ao impacto ambiental da produção de animais de corte e à disponibilidade de recursos naturais.

Dessa forma, as empresas de criação conseguiram diminuir a prevalência de determinados problemas de saúde (como discondroplasia tibial, deformidades ósseas longas e ascite) ao incorporarem características de saúde e bem-estar aos seus programas. No entanto, também há relatos de frangos de corte de rápido crescimento apresentando comportamentos menos naturais e menos motivados, problemas ao caminhar e piores condições de saúde das patas e esporas. Consequentemente, tem aumentado a preocupação pública com a maneira como os frangos de corte são criados. 

Desenvolvimento de linhagens de crescimento mais lento

Embora a conscientização sobre o bem-estar dos frangos de corte seja algo novo em determinadas regiões do mundo, ela não é novidade na Europa e tem sido especialmente intensa na Holanda, onde as organizações de bem-estar animal são uma força motriz para as melhorias nesse quesito. Como resposta a isso, as empresas de alimentos fazem compromissos firmes com o bem-estar dos frangos de corte. Foi em reação a essa mudança no mercado que as empresas de criação desenvolveram linhagens alternativas, os chamados frangos de corte de crescimento mais lento. Essas linhagens têm várias vantagens comprovadas em termos de saúde e bem-estar em relação àquelas de crescimento rápido, já que apresentam taxas de mortalidade mais baixas, menos uso de antibióticos, maior mobilidade e menos lesões nos pés. Desde o final de 2017, entre 35 e 40% das granjas holandesas de frangos de corte passaram a ter linhagens de crescimento mais lento. Cerca de 90% de toda a carne de frango fresca nos supermercados holandeses é proveniente de frangos de corte com crescimento mais lento. Outros países estão seguindo na mesma direção: No Reino Unido e na França, por exemplo, os frangos de corte com crescimento mais lento representam, atual e respectivamente, 10 e 15% da produção total dessa linhagem de frangos.

Para melhorar e promover o bem-estar animal, surgiram vários esquemas de credenciamento de bem-estar em diferentes países ao redor do mundo (‘Beter Leven’ na Holanda, ‘Label Rouge’ na França, ‘RSPCA Accreditation’ no Reino Unido, ‘Tierschutzleben’ na Alemanha, entre outros). Cada um desses esquemas de credenciamento tem seu próprio conjunto de regulamentações e normas, com o objetivo de analisar as metas de criação e alterar o gerenciamento de frangos de corte frente a melhores resultados de bem-estar, como linhagens aprovadas, taxa de crescimento máxima, idade mínima de abate, densidade máxima de estoque, fornecimento de luz solar natural e acesso a uma área externa.

Com base em um amplo conhecimento oriundo de pesquisa da tecnologia Embryo-Response Incubation™, a Petersime também investe no bem-estar dos frangos de corte por meio do desenvolvimento das condições de incubação que se adaptam automaticamente às necessidades reais dos embriões de crescimento lento. 

Sustentabilidade e bem-estar do frango de corte

Está claro que o bem-estar e a saúde dos animais têm sido o foco para o desenvolvimento de linhagens de crescimento mais lento. Embora o bem-estar do frango de corte seja essencial, ele não deve ser considerado isoladamente, mas no contexto de alimentar o mundo com os recursos limitados que temos. A produção de frangos de corte só pode ser considerada sustentável se os desafios em todas as seguintes áreas forem devidamente gerenciados: bem-estar animal, desenvolvimento econômico e proteção ambiental. A crescente demanda mundial por carne de frango como fonte primária de proteína animal precisa ser equilibrada com o impacto da produção de animais de corte sobre o bem-estar animal e o meio ambiente.

Cada vez mais, o setor de animais de corte compete por recursos escassos, como terra, água e energia, e gera um impacto sobre a qualidade do ar, da água e do solo devido às emissões. Apesar de seu resultado positivo em termos de bem-estar, a produção de frangos de corte de crescimento mais lento apresentou uma pegada de carbono 20% maior em comparação com a produção convencional. O que também tem aumentado são as dúvidas sobre o efeito nos preços dos alimentos e na segurança alimentar. São necessárias mais pesquisas se o setor avícola quiser progredir rumo a uma produção de frangos de corte sustentável e com bem-estar a longo prazo. 

A importância de pesquisas adicionais

Os frangos de corte com crescimento mais lento diferem dos frangos de corte convencionais quanto ao histórico genético, à fisiologia e ao comportamento. Ao mesmo tempo, há uma falta de conhecimento sobre as necessidades específicas dessa linhagem, já que quase todo o conhecimento mundial é baseado em pesquisas sobre frangos de corte de rápido crescimento. Isso significa que, atualmente, o gerenciamento pecuário usado para criar linhagens de crescimento mais lento se baseia na tentativa e erro e no que o setor aprendeu com o gerenciamento de frangos de corte convencionais.

Aumentar o conhecimento sobre linhagens de crescimento mais lento e implementá-lo no campo melhorará ainda mais o bem-estar animal e a sustentabilidade. Por esse motivo, a Petersime se uniu ao "Projeto PPP SloGro", uma parceria público-privada entre o Ministério da Agricultura holandês, a Nature and Food Quality e a Wageningen Livestock Research, que investiga a produção de frangos de corte sustentáveis, saudáveis e de crescimento mais lento. Como compartilhar conhecimento na indústria avícola é fundamental para a missão da Petersime, apresentaremos novas descobertas e resultados em artigos posteriores.