Escolha seu idioma

Otimizando a cadeia de valor (1) - A crescente necessidade de oferecer qualidade

A otimização da cadeia de valor se torna ainda mais importante no momento atual, com a crescente demanda por rastreabilidade e treinamento adequado. Há formas diferentes, das quais trataremos nesta série, de maximizar o potencial genético existente em cada ovo, buscando obter pintinhos de um dia mais rentáveis para todos os envolvidos na cadeia de produção avícola.

Por Jason Cormick, Especialista em Incubação da Petersime

Na série mensal "Otimizando a cadeia de valor", nós focaremos em:

1. A crescente necessidade de oferecer qualidade

2. O guia da natureza para a maximização do potencial genético do ovo

3. A temperatura e sua influência na taxa de crescimento e na saúde (+ checklist de condições ideais de temperatura)

4. O CO2 e sua influência no desenvolvimento dos sistemas vascular e pulmonar (+ checklist de condições ideais de CO2)

5. Perda de peso e sua influência no comportamento dos pintinhos (+ checklist de condições ideais de umidade)

A crescente preocupação com a otimização da cadeia de valor

A otimização de sua cadeia de valor está se tornando cada vez mais importante. Em primeiro lugar, porque a população continua crescendo. Quanto mais pessoas no planeta, mais alimentos precisamos produzir para todos. Para atender esta crescente demanda, empresas do setor avícola estão se tornando mais globais e industrializadas, e a produção de aves se torna cada vez mais complexa. Cada elo da cadeia depende de seu fornecedor: o supermercado ou açougue onde o consumidor final compra carne depende da entrega da empresa de processamento, que depende, por sua vez, do abatedouro, que depende da granja, que depende do incubatório, e assim por diante. Cada elo da cadeia tem a responsabilidade de fornecer qualidade para a próxima etapa, fazendo com que, ao final, a qualidade geral seja garantida. Portanto, cada elo deve otimizar seus próprios processos, e trabalhar em conjunto com os demais para garantir que forneça pintinhos saudáveis e de qualidade uniforme. Preferencialmente, da maneira mais eficiente e com o máximo de lucro possível.

Além disso, há ainda a necessidade de manutenção de altos níveis de biossegurança e de atenção ao crescente foco do consumidor em segurança alimentar e bem-estar animal. A rastreabilidade é um aspecto importante nos dias atuais. O consumidor final quer saber de onde vem seu alimento. Esta tendência crescerá cada vez mais, e chegará um momento em que o consumidor poderá facilmente rastrear cada pedaço de frango até a granja de origem e saber de onde o animal veio, bem como cada etapa por qual ele passou nesta cadeia de valor, a fim de verificar se foi criado nas condições adequadas, garantindo bem-estar tanto ao frango quanto aos humanos que irão consumi-lo. Além disso, os fornecedores da cadeia de valor exigem rastreabilidade, para que possam checar os resultados e redirecionar performances insuficientes aos pontos corretos da cadeia. Será possível analisar melhor cada elo, avaliando sua performance.

A necessidade de treinamento adequado irá aumentar. No incubatório, e também em outros elos da cadeia de valor, precisamos entender o que a ave está expressando. Confiar apenas em dados e tecnologia sem observar nenhuma ave é um erro. Os problemas normalmente são visíveis nas aves. Respondendo aos sinais dados pela ave, podemos otimizar seu bem-estar, performance e eficiência. Isso leva, por fim, a melhores resultados e frangos mais rentáveis.

Qual é a melhor maneira de agregar valor à cadeia?

Como agregar valor à cadeia da indústria avícola? A Petersime acredita que a natureza deve nos guiar nessa questão. Devemos ouvir as necessidades dos embriões e responder como a ave mãe responderia. Imitando o comportamento natural, não apenas preservamos o bem-estar dos embriões da melhor maneira possível, como também produzimos os melhores pintinhos, com as mais baixas taxas de mortalidade. Podemos assim fornecer pintinhos de qualidade com valor agregado à cadeia de produção avícola como nunca antes.

Por milênios, desde os antigos egípcios, fazendeiros, acadêmicos, engenheiros e outros profissionais discutiram essa questão: "Como podemos produzir pintinhos mais rentáveis?" Sabemos que os fatores mais decisivos no processo de incubação são temperatura, CO2 e perda de peso dos ovos. Agora, podemos controlar meticulosamente esses fatores, com precisão de décimos de graus Fahrenheit e gramas. Isso significa que finalmente encontramos a melhor maneira de incubar? Que atingimos o fim deste desenvolvimento? Claro que não. Na Petersime, estamos investigando a influência de outras variáveis no processo de incubação, estudando a natureza. O futuro da incubação promete ser ainda mais interessante.

Veja no próximo Petersime e-news: O guia da natureza para maximizar o potencial genético do ovo.