Escolha seu idioma

Processo natural de incubação

Observar a natureza e as atividades da ave mãe antes, durante e após a conclusão do processo de incubação sempre foi uma força motriz por trás da filosofia da Petersime. A tecnologia Embryo-Response Incubation™ é baseada neste princípio. O Synchro-Hatch™ dá ao embrião os mesmos sinais e estímulos que ele receberia da ave mãe na natureza e, assim, oferece condições ideais para o nascimento.

Roger Banwell, Gerente de Desenvolvimento de Incubação, Petersime nv

Atividade da ave mãe

Há diversos estudos que mostram a atividade da ave mãe. As alterações nas práticas alimentares, o surgimento da placa de choco e o aumento do cacarejar são apenas alguns exemplos. Geralmente, estes estudos se concentram na relevância e no efeito do fator materno em relação à ave mãe.

A maioria destes estudos se referem ao rápido aumento da presença no ninho durante os últimos três dias de incubação. A galinha não sairá do ninho. Não é surpresa ver o ninho sujo, já que a galinha irá fazer ali suas necessidades fisiológicas, independente dos ovos e de pintinhos por vir. O nível de cacarejar também aumentará após os primeiros acessos à câmara de ar, até a bicagem externa. Isto é normalmente considerado uma forma de comunicação entre a ave mãe e o pintinho a nascer.

Esta interação entre a ave mãe e o ovo é frequentemente negligenciada da perspectiva do embrião, que está confinado na casca que o envolve.

Gatilhos para a eclosão

Durante a fase de eclosão, a ave mãe volta ao ninho e senta sobre os ovos durante a maior parte do tempo. Isto afetará a taxa de trocas gasosas, a umidade e a dissipação de calor. A comunicação da ave mãe com o embrião é estabelecida no estágio em que o pintinho adentra a câmara de ar, e a atividade da ave mãe se altera de acordo.

O estresse frequentemente é presumido como um fator negativo. Na natureza, o estresse pode ser positivo - como um estímulo biológico ou de desenvolvimento. Qualquer atleta ou cirurgião garantirá que o estresse pode ser essencial em momentos chave.

As faculdades óticas e auditivas são funcionais no pintinho após o acesso à câmara de ar. Diversos estudos têm mostrado respostas e reações significativas ao variar estes elementos. Investigações adicionais são necessárias para utilizar estes parâmetros para orientar o processo de incubação.

Momento de eclosão

Considerar que uma ave mãe pode garantir a eclosão de uma ninhada de seis ovos em algumas horas é um equívoco comum. Isto não quer dizer que a ave mãe não faça um bom trabalho. Colocar ovos ao longo de vários dias em condições variáveis e ainda fazê-los eclodir em um tempo relativamente curto e com uma qualidade uniforme exige habilidades avançadas.

Contudo, não é incomum ver uma eclosão ocorrer em um período de dois dias. Durante este período, a ave mãe deve reter os pintinhos que já nasceram, enquanto aguarda a eclosão do restante dos ovos. Tipicamente, a falta de resposta de áudio dos ovos que não eclodiram após o aumento do cacarejar é o sinal para que a ave mãe saia do ninho.

Synchro-Hatch™

A atividade e os sinais observados na ave mãe durante o processo natural de incubação resultaram no desenvolvimento da tecnologia Synchro-Hatch™. Esta tecnologia replica as condições experimentadas pelos ovos no ambiente natural do ninho. Portanto, o Synchro-Hatch™ garante uma janela de eclosão reduzida e boa qualidade e uniformidade dos pintinhos.

Algo que deve ser enfatizado, é que o Synchro-Hatch™ não retarda e/ou força a ocorrência da eclosão. O que ocorre, na verdade, é que o Synchro-Hatch™ fornece ao pintinho ainda dentro do ovo os mesmos sinais, estímulos e estresse positivo que ele esperaria naturalmente de uma ave mãe e, assim, oferece as condições ideais para a eclosão.

Synchro-Hatch™, sensor que interage com o programa de incubação do nascedouro BioStreamer™

Resumo

Estudos têm investigado a interação entre a ave mãe e o embrião durante o processo de eclosão. A Petersime observou estes sinais naturais e aplica estes princípios no nascedouro industrial por meio da tecnologia Synchro-Hatch™. Esta tecnologia tem, ao longo do tempo, provado seu valor e impacto na qualidade, uniformidade e desempenho pós-eclosão dos pintinhos na indústria avícola.

Uma coisa é certa: a ave mãe não se senta e observa a eclosão acontecer. Ela intervém e, sem dúvida, interage com o todo o processo.