Escolha seu idioma

Requisitos e sensibilidades específicos da incubação de ovos de peru

Ovos de peru têm uma alta taxa de sucesso quando todas as áreas de incubação específicas à espécie são corretamente administradas. Portanto, um conjunto de equipamentos de incubação que permita o ajuste fino dos processos e parâmetros mais do que compensa o investimento.

Por Stephen Evans, Especialista em Incubação

A natureza como referência

O processo de eclosão natural é o ponto de partida da filosofia de incubação da Petersime. Tentamos sempre emular a experiência que o embrião tem no ninho. A Embryo-Response Incubation™, nome dessa metodologia, envolve tecnologias que atendem explicitamente às demandas específicas de diferentes espécies de aves.

Este artigo explora as três áreas centrais da tecnologia Embryo-Response Incubation™ da Petersime, no tocante à incubação de perus:

  • 1. A incubadora BioStreamer™ Re-Store, para tratamento térmico de ovos armazenados com curtos períodos de incubação;
  • 2. A tecnologia Operational Excellence™ nas incubadoras, especialmente o dispositivo de medição automatizada de temperatura da casca do ovo como meio de regulação da temperatura do ar e dos níveis de CO2 para controlar a ventilação e a perda de umidade;
  • 3. A Tecnologia Operational Excellence™ nos nascedouros e, especificamente, o CO2 como meio de controle da ventilação e da umidade.

Uma abordagem específica para incubar ovos de peru é muito importante

Tratamento térmico de ovos de peru armazenados

O acasalamento natural raramente é praticado nos lotes de perus. A inseminação artificial significa que as taxas de viabilidade têm potencial para ser muito altas. Mesmo assim, a viabilidade desses ovos férteis costuma não alcançar todo o seu potencial. Uma possível causa disso é a ampla discrepância no desenvolvimento embriológico nos ovos de peru quando são entregues ao incubatório.

Os diferentes estágios do desenvolvimento embriológico foram identificados e classificados por Eyal-Giladi e Kochav, e por Hamburger e Hamilton. Pesquisas sugerem que o estágio que oferece a melhor possibilidade de sobrevivência do embrião durante o período de armazenamento no incubatório é o estágio 13. Ovos em estágios anteriores tendem a ser mais suscetíveis a perecer durante o armazenamento. A comparação entre ovos de peru e ovos de galinha mostra que quase 60% dos ovos de peru estão no estágio 10 de pré-desenvolvimento quando entregues ao incubatório.

Uma maneira de evitar a perda embriológica prematura em perus é usar tratamento térmico durante o armazenamento em uma máquina Petersime BioStreamer™ Re-Store exclusiva para promover o desenvolvimento embriológico até o estágio 13 e, assim, unificar os estágios de desenvolvimento dos diferentes ovos. Testes com parceiros de pesquisa já comprovaram os benefícios do uso de tratamento térmico para ovos de peru.

Teste comparativo Lote 1: tratamento Re-Store versus sem tratamento

Teste comparativo Lote 2: tratamento Re-Store versus sem tratamento

Tratamentos Re-Store subsequentes em ovos armazenados por um período extenso melhoram a eclodibilidade ao restaurar o crescimento celular e a probabilidade de sobrevivência de ovos que retornam ao armazenamento. Esse procedimento não apenas melhora a viabilidade dos ovos férteis, mas também é útil, em conjunto com tecnologia de incubadoras e nascedouros, para que se obtenha uma janela de nascimento mais estreita.

Diferentes tecnologias na incubadora e no nascedouro

Quando a incubação se inicia, a medição e aplicação de set points ao CO2, além de fazer com que o nível de CO2 oriente as taxas de ventilação, podem poupar o embrião de alterações drásticas em seu ambiente gasoso. Dessa maneira, o ambiente pode ser personalizado para os requisitos de trocas gasosas do embrião, específicos e em constante mudança, para estimular um desenvolvimento vascular forte e alcançar os objetivos de perda de peso.

Um embrião em desenvolvimento libera dois produtos residuais, CO2 e água, o que leva à perda de peso
Ao liberar água progressivamente, um ovo reduz seu peso. A perda de peso em um ovo fértil se manifesta no tamanho da câmara de ar na extremidade mais arredondada do ovo. Essa é a câmara de ar que o pintinho atravessa primeiro ao começar a eclodir. A perda de peso ideal na transferência é de cerca de 10% do peso do ovo quando ele inicia a incubação. Não alcançar essa meta costuma indicar um pintinho não saudável.

Um dispositivo de medição automatizada da temperatura da casca do ovo possibilita o controle do ambiente do embrião em desenvolvimento e em constante mudança, de forma que ele possa prosperar em um ambiente ideal para todas as suas necessidades específicas a seu estágio de desenvolvimento.

Testes com perus já mostraram que a transição crítica da fase endotérmica para a exotérmica da incubação exige uma temperatura inferior à de outras espécies. Isso levou a um programa de temperatura da casca do ovo específico para perus, que é algo singular em comparação com outras espécies.

Ovos de peru são especialmente sensíveis à temperatura

O setor de perus também é, por si só, singular, devido à variedade de exigências de mercado: alguns mercados preferem perus de porte pequeno, alguns preferem de porte médio, e outros querem aves de porte muito grande. Essas diferenças se fazem presentes até mesmo durante o estágio embriológico e podem exigir diferentes ambientes de temperatura.

Para atender a isso, o programa de temperatura da casca do ovo, que é gradual e progressivamente elevada desde o início da fase exotérmica até a transferência, pode ser ajustado de acordo com o tamanho da linhagem de peru incubada. Esse princípio deve ser sempre seguido, independentemente da linhagem de peru.

Gerenciamento de nascedouro

A eclosão de peruzinhos é, por si só, uma arte. Embora outras espécies aceitem bem o mau gerenciamento do ambiente do nascedouro, esse não é o caso dos perus. Na realidade, existem muitas considerações específicas à espécie que tornam o gerenciamento correto do nascedouro algo crucial.

Para desenvolver o ambiente de nascedouro ideal para perus, a Petersime realizou testes para analisar diferentes velocidades de ventilador e o impacto que esse fator de controle tem sobre momentos cruciais do processo de eclosão.

Com a redução progressiva de velocidades de ventilador durante o período de eclosão, foi encontrada uma velocidade exata do ventilador na qual a mortalidadese reduziu significativamente. A conclusão foi a de que velocidades do ventilador afetam diretamente os níveis de energia que os peruzinhos precisam gastar durante a eclosão. Velocidades mais altas do ventilador causaram esgotamento de energia; ou seja, os peruzinhos eram incapazes de concluir o processo de eclosão. Velocidades reduzidas do ventilador eram mais favoráveis aos peruzinhos e permitiam que eles concluíssem o processo de eclosão sem sucumbir à exaustão. Isso levou ao desenvolvimento de um nascedouro para perus com velocidades do ventilador diferentes dos programas usados para outras espécies.

A importância dos níveis corretos de umidade e CO2

Gerenciar a umidade no nascedouro de perus pode não ser algo exclusivo por si só, mas certamente é algo que define a filosofia da Petersime Embryo-Response Incubation™. Como os peruzinhos são especialmente sensíveis à temperatura, a ação de pulverização faz com que a temperatura varie. Portanto, é melhor evitar o uso de pulverizadores de umidade. A umidade, porém, é essencial durante a eclosão, para manter as membranas da casca umedecidas. Para permitir um ambiente rico em umidade que seja propício para que peruzinhos em eclosão se desvencilhem totalmente da casca, deixamos o nível de CO2 controlar o nível de ventilação, da mesma maneira como foi feito na incubadora.

Para estimular aves de ação tardia a concluir a eclosão, nosso programa exige um aumento no CO2. Para acomodar isso, os níveis de ventilação são reduzidos. Como isso coincide com a eclosão dos ovos, a umidade naturalmente liberada será capturada dentro da máquina. Essa umidade não tem efeito prejudicial sobre a temperatura. Pelo contrário, ela ajuda a umedecer as membranas das cascas, permitindo assim que os peruzinhos eclodam sem gastar energia demais.

O tempo correto é crucial para o sucesso. Se o CO2 for aumentado cedo demais, os peruzinhos de eclosão tardia ficarão acostumados a seu ambiente e não o perceberão mais como um estímulo. Idealmente, o processo corresponde ao início da eclosão, estreitando a janela de nascimento e reduzindo a incidência de peruzinhos bicados vivos. Isso conclui o trabalho iniciado pelo tratamento térmico Re-Store e mantido pela incubadora Operational Excellence™.

O luxo do equipamento de incubação de perus da Petersime

Para concluir, os perus envolvem muitas considerações específicas à espécie no tocante ao gerenciamento de incubação. O conjunto de equipamentos de incubação da Petersime, com sua exclusiva tecnologia Embryo-Response Incubation™, dá aos incubatórios de peruso luxo de poder identificar os detalhes essenciais e a garantia de saber que podem atendê-los de forma precisa. Com a compreensão de onde ganhos em eclodibilidade de perus podem ser encontrados e com o uso correto da tecnologia da Petersime, cria-se um incrível espaço para melhoria contínua.